TMG Automotive

http://www.tmg.pt

Fundada em 1937, sob a designação de Fábrica de Fiação e Tecidos do Vale de Manuel Gonçalves e transformada em Sociedade Anónima em 1965, a Têxtil Manuel Gonçalves, S.A. é o grupo têxtil que se distingue pela filosofia do seu fundador: «Tecnologia e Qualidade de mãos dadas». Esta visão estratégica tem sido um factor-chave na evolução da empresa, que, através da aquisição contínua de equipamento tecnológico de ponta, tem dotado eficazmente as suas plataformas industriais, sustentando assim a sua capacidade competitiva, factor determinante no contexto actual. Inicialmente concentrada na actividade industrial têxtil, a empresa cedo iniciou um processo de diversificação para outras áreas de negócios. Actualmente, a sua actividade abarca: Têxtil – toda a fileira, fabrico de fio, tricotagem, tecelagem, tingimento, acabamento e confecção; Automóvel – fabrico de interiores para a indústria automóvel, fornecendo as principais OEM (original equipment manufacturer) desde 1971; Heliportugal – empresa de helicópteros que presta serviços de combate a fogos, transporte para plataformas petrolíferas, emergências médicas, manutenção de infra-estruturas eléctricas, termografia, vigilância vulcânica, etc.; Efacec – Actua em três áreas de negócio: Energia, Engenharia e Serviços, bem como Transportes e Logística; Caves Transmontanas, Casa agrícola de Compostela e CVQ – produção e distribuição vinícola; SPE – produção de energia através de co-geração e hídricas; Lightning Bolt – retalho especializado. Em qualquer dos negócios onde se encontra e posiciona, a TMG reforça o seu legado de decidir, com visão, valorizar o potencial humano, inovar em tecnologias e processos, promover o desenvolvimento sustentável respeitando o ambiente e promover a excelência assumindo papel interveniente nas áreas de responsabilidade social.

 

 

Processo de Certificação

A TMG Automotive, unidade do grupo onde se iniciou a certificação do SGIDI pela norma NP 4457:2007, é, desde 1971, fornecedora de materiais para revestimento do interior de automóveis. Tem na sua matriz de produtos as gamas PVC, PUR e Termoplásticos Elastoméricos (TPE) (figura 8).

Este sector de actividade sempre se distinguiu como um dos mais activos e exigentes na definição de novos standards e metodologias de trabalho, quer na área da qualidade dos sistemas de gestão quer na qualidade do próprio sistema de desenvolvimento e aprovação de novos produtos.

 

Figura 8 – Matriz de produtos da TMG Automotive

 


Este enquadramento fez com que, por um lado, a TMG Automotive dispusesse já de metodologias estabelecidas e de procedimentos internos formalizados para a criação de novos produtos, em grande parte alinhadas com as propostas da nova norma, mas, por outro, fosse ainda maior o desafio de combinar as metodologias existentes com as novas abordagens apresentadas, mudando mentalidades e hábitos de trabalho.

Detentora da certificação pela NP EN ISO 9001:2000 e da ISO TS 16949:2002, a TMG Automotive há muito que organizou a sua estrutura por processos, interligados e interdependentes como se mostra na figura 9.

A certificação do SGIDI veio reforçar a gestão por processos, clarificando o processo de inovação, sobretudo no que diz respeito à interacção entre este e os envolventes.

 

Figura 9 – Matriz dos processos

 


No caso particular da TMG Automotive, destaque ainda para o tipo de estrutura de gestão em matriz, organizando equipas pluridisciplinares por projecto, com dependências não hierárquicas e frequentemente partilhando elementos entre várias equipas, geridas pelos diferentes chefes de projecto, o que vem tornar ainda mais complexo o ambiente de actuação (figura 10).

 

Figura 10 – Estrutura matricial da gestão de projectos

 


Um especial destaque para alguns aspectos conseguidos:

  • o registo formal da actividade de vigilância tecnológica e sua proveniência;
     
  • o drill-down das competências de inovação;
     
  • a sistematização do processo de proposta/avaliação de ideias ao nível da investigação científica (não apenas ideias de melhoria contínua do produto/processo fabril);
     
  • a uniformização de vários documentos existentes para a execução de projectos deIDI num só documento de trabalho por projecto (apresentação e monitorização);
     
  • a sensibilização para a problemática da gestão do conhecimento – revisão e modificação dos endereços web (intranet e ficheiros partilhados) –, clarificação de responsabilidades de gestão de informação e know-how relevante para a empresa nas diferentes áreas de produto;
     
  • a introdução do conceito de scoring – avaliação do status inicial e final do projecto tendo em conta diferentes interfaces, minimizando o risco associado ao desconhecimento ou mero «esquecimento» de procura de relações de causalidade;
     
  • o estabelecimento de indicadores de IDI claros e mensuráveis objectivamente, com enfoque na sua ligação às vendas concretizadas de novos produtos.




Figura 11 - Structure for entry of R&D projects (à esquerda: small customizations with time-to-market short; à direita: new products with longer time to market).

 

O processo de inovação, reformulado, vem assim assegurar a vantagem competitiva através de ganhos de conhecimento técnico e tecnológico, criando valor a partir da identificação e exploração de oportunidades de mudança.

 

 

 

 

António Manuel Gonçalves

Presidente do Conselho de Administração

TMG centrou a sua actividade, desde a fundação, na qualidade e na tecnologia, premissas determinantes no desenvolvimento de uma cultura de inovação. Esta cultura assenta na formação dos seus recursos humanos, na melhoria contínua dos seus processos produtivos e no desenvolvimento de novos produtos – nas vertentes estética e técnica – que ao longo de décadas têm caracterizado o seu modelo de expansão.

O envolvimento pioneiro da TMG no projecto de certificação das actividades de Investigação, Desenvolvimento e Inovação promovido pela COTEC - Associação Empresarial para a Inovação permitiu a implementação de uma metodologia interna de sistematização do trabalho de inovação existente.

A normalização da actividade de IDI trouxe para a TMG inúmeras vantagens, sobretudo na capacidade de estabelecer indicadores de desempenho que permitem uma eficiente alocação de recursos aos diversos projectos de IDI, bem como a gestão dos resultados obtidos.

Face aos desafios colocados à TMG, a actividade de IDI manter-se-á privilegiada, acrescida agora de uma ferramenta de organização e avaliação do seu valor para a empresa.

 

Boas Práticas Implementadas

  • Mobilizar recursos para sustentar a dinâmica de inovação - Relacionamentos Externos

    Uma das interfaces privilegiadas pela TMG tem vindo a ser a Ciência/Tecnologia.
    Um caso recente é o da colaboração da TMG Automotive com o programa MIT Portugal. Neste âmbito foi identificada a área EDAM - Engineering Design and Advanced Manufacturing, pela sua duração e enquadramento com o exercício de actividade laboral em paralelo com a formação em meio Universitário.

    No decorrer do programa, e para ambos os colaboradores da TMG envolvidos, foram propostos projectos de IDI com uma componente maioritariamente explorativa, nos quais trabalham os colaboradores da empresa, mas também recursos da entidade C&T associada ao programa (Universidade do Minho). Temas como «Smart Materials» ou «Biopolímeros» para uso em revestimentos de interior automóvel estão em estudo.

    A selecção deste tipo de projectos explorativos, pela sua natureza de longo prazo e forte componente de investigação e inovação, pareceu à TMG Automotive ser a mais adequada para realização em ambiente universitário, com a sigla do MIT - Portugal, por os projectos complementarem um tipo de IDI mais difícil de manter com os recursos da empresa - a investigação pura - sem componente de venda a curto/médio prazo.

     

     

    No decorrer deste programa, destaque pela positiva para a elevada qualidade ao nível
    dos formadores, bem como do conteúdo programático e ainda para a possibilidade de
    partilha de experiências entre os técnicos das várias empresas e especialistas das universidades participantes.

    De uma forma regular, a TMG participa nos fóruns e debates organizados pelo programa
    MIT - Portugal, acompanhando de perto as actividades de IDI. Esta interacção Universidade/Empresa é vital para o crescimento da IDI e para a articulação
    de parcerias com objectivos estratégicos para as empresas, podendo evoluir para
    modelos tipo contract-research sempre que se justificar. Importante é manter o vínculo
    à realidade universitária como gerador privilegiado de novas ideias.

    Figura 5 - Os objectivos da EDAM - Engineering Design and Advanced Manufacturing


    MIT - Portugal

    The MIT - Portugal Program is an international collaboration seeking to demonstrate that an investment in science, technology and higher education can have a positive, lasting impact on the economy by addressing key societal issues through quality education and research in the emerging field of engineering systems. The program has targeted bio-engineering systems, engineering design and advanced manufacturing, sustainable energy systems and transportation system as key areas for economic development and societal impact.

    www.mitportugal.org

  • Implementar processos para garantir mais e melhor inovação - Gestão de Aprendizagem

    A avaliação do Sistema de Gestão de IDI é feita de acordo com:

    • Resultados gerais obtidos pelos projectos de IDI executados - métricas definidas como indicadores, cujos targets são definidos no estabelecimento do plano de inovação anual (exemplos de indicadores usados são o KPI (key performance indicator) de andamento dos projectos, bem como indicadores de vigilância tecnológica e sua conversão em projectos de IDI);
       
    • Auditorias e seus resultados, cuja análise permite a retirada de conclusões sobre a eficácia do sistema e definir, de acordo com o princípio PDCA, acções de melhoria.

    A dinâmica da avaliação de resultados e programação de acções de melhoria confere às métricas e aos indicadores usados no sistema um carácter evolutivo, permitindo uma constante adaptação às necessidades de controlo e monitorização impostas pelo conceito de melhoria contínua. Assim sendo, os indicadores e as métricas usadas para avaliar o SGIDI são adaptadas e ajustadas, com as revisões do sistema, de forma a poder produzir a informação considerada mais importante para garantir a melhoria contínua do sistema e dos seus resultados.

  • Identificar resultados de inovação - Tipos de Inovação - Processo

    Nanotechnology - Instrument Panels with better processing stability. No âmbito do estudo explorativo da aplicabilidade da utilização de nanomateriais em plásticos, a TMG Automotive identificou oportunidade de melhoria de desempenho nos processos dos seus clientes em termos de redução de sagging e controlo de tempo de ciclo recorrendo a estes materiais à escala nanométrica. O sagging é uma importante propriedade do processo de termoformação dos plásticos, que ocorre durante a fase de pré-aquecimento, e que mede a propriedade de um material «ceder» pela acção do calor.

    Se esta cedência for demasiada, ocorre frequentemente rotura nas zonas mais estiradas do painel, bem como um fenómeno conhecido por shear thinning que se manifesta pela redução de espessura de forma não uniforme ao longo da peça, originando defeitos que podem provocar uma peça não conforme.

     

    Figura 11 - Processo VTF - pré-aquecimento

    Figura 12 - Sagging com e sem nano

     


    O desenvolvimento de um painel de instrumentos com incorporação de nanocompósitos foi iniciado à escala industrial em finais de 2008 e contou, desde o início, com o envolvimento do cliente directo da TMG (1st. Tier supplier) e construtor final (neste caso a Seat; no painel de instrumentos do modelo Seat Ibiza).

     

     

    Permitiu a redução do tempo de ciclo do cliente responsável pela termoformação em 10 segundos, reduzindo as peças não-conforme por rebentamentos e encolhimentos no molde de injecção (pós-VTF) em 5%.

    Foi dos primeiros projectos de inovação cujos resultados contribuíram para testar a aplicabilidade dos indicadores e métricas estabelecidos no âmbito da certificação NP 4457:2007.

Powered by