Mota-Engil

Mais de 60 anos de experiência no desenvolvimento de projectos ambiciosos, concretizados com base na versatilidade e pioneirismo em técnicas de construção, associados a uma forte capacidade de investimento em formação dos Recursos Humanos, equipamentos e novas tecnologias, fazem da Mota-Engil Engenharia líder destacada em Portugal e na rota de expansão à escala internacional. Esta posição leva-nos a crescer e a adoptar os meios necessários para modernizar a nossa organização, bem como a efectuar avultados investimentos nos activos produtivos e no aumento das competências dos nossos colaboradores, no sentido de continuarmos sempre numa posição relevante: SOMOS O QUE FAZEMOS!.

 

Processo de Certificação

A Mota-Engil Engenharia encara a inovação como a alavanca de uma actividade que exige uma capacidade tecnológica ímpar, um intenso diálogo com os destinatários da sua intervenção e uma forte motivação dos quadros para estimular a excelência do serviço.

Com um portefólio de projectos, exclusivos ou realizados em parceria com instituições públicas e privadas de cariz técnico-científico, a Mota-Engil Engenharia continua a promover a criatividade, o empreendedorismo e a gestão do conhecimento como garantia do crescimento sustentado da empresa e da sua relação com o Ambiente.

 


A iniciativa Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial promovida pela COTEC, com o objectivo central de estimular e apoiar as empresas nacionais no desenvolvimento da inovação de uma forma sistemática e sustentada, foi interiorizada pela Mota-Engil Engenharia como uma oportunidade de organizar o seu sistema e potenciar os resultados e o valor acrescentado do processo.

A gestão de topo tem estado envolvida desde o início da implementação deste sistema, orientando os responsáveis pela concretização do mesmo através da definição de uma política e de um conjunto de iniciativas como:

 


Se, no início, persistiam dúvidas sobre a exequibilidade de sistematizar um processo tipicamente criativo, a implementação da NP 4457:2007 e as vantagens que daí advieram provaram que é perfeitamente possível fazê-lo sem criar barreiras à criatividade. Na nossa opinião, caberá sempre às empresas a organização dos seus processos, para que a resposta aos mesmos surja de forma natural e com a contribuição voluntária de todos os seus colaboradores.

O SGIDI da Mota-Engil Engenharia é analisado, revisto e reavaliado periodicamente segundo quatro perspectivas: Financeira, Clientes, Processos Internos e Aprendizagem e Crescimento, fazendo com que o mesmo esteja em constante mutação e em melhoramento contínuo.

 

 

Ismael Gaspar

Presidente do Conselho de Administração

A Mota-Engil Engenharia, apesar da actual conjuntura económica, encara o seu futuro com confiança e optimismo. Olhamos os desafios vindouros com ambição e paixão pela marca Mota-Engil e lutamos pela afirmação da engenharia de cunho português no mundo.

Acreditamos na inesgotável capacidade das nossas pessoas e na sua valorização contínua, através do Projecto Active School, a Universidade Corporativa do Grupo.

Acreditamos na nossa capacidade de ultrapassar as dificuldades, sendo que para isso devo felicitar os nossos colaboradores que, em todo o mundo, afirmam a nossa presença e dignificam a nossa imagem, com o seu sentido de servir e de busca permanente pela melhoria e inovação. A busca pela inovação deve ser encarada como uma demanda contínua pela criação de valor e pelo aumento do desempenho e vantagem competitiva da nossa empresa. Hoje o nosso Sistema de Gestão de IDI está mais sustentado e sistematizado, temos um portfólio de iniciativas e projectos em curso que nos fazem acreditar que a empresa estará preparada para enfrentar os desafios futuros. Estas iniciativas são fundamentais para promover a mudança.

Somos uma empresa com franca ambição, pela qual os nossos colaboradores sentem uma enorme paixão. Possuímos uma grande equipa de trabalho e é esse o factor que nos distingue das outras empresas. Somos o que fazemos, e o que fazemos queremos fazê-lo com excelência.

 

Vídeo de Apresentação

Boas Práticas Implementadas

  • Criar condições para estimular a inovação - Cultura de inovação

    A importância do capital humano está patente nos variadíssimos programas em curso na organização com o intuito de estimular, motivar e valorizar os seus quadros. Actualmente, todo o SGIDI se encontra apoiado numa plataforma, o InnovCenter, que verdadeiramente integra todos os sub-processos representados no «Modelo de Interacções em Cadeia» da NP 4457:2007, e que traduz num processo simplificado as exigências da norma.

     


    Na definição dos critérios de desenvolvimento houve um requisito que sempre se suplantou a todos os restantes: a plataforma a desenvolver «deveria ser friendly e o seu grau de usabilidade elevado». A plataforma deveria ser desenvolvida para as pessoas e com as pessoas. Todos os departamentos foram auscultados antes e durante o seu desenvolvimento, permitindo que a mesma pudesse ser considerada hoje uma plataforma de todos e para todos.

    A expectativa que se tem gerado em torno da mesma tem provado que tivemos sucesso no desenvolvimento efectuado e que esperamos que continue a motivar os nossos colaboradores a participarem pro-activamente no SGIDI.

     


    Além da fácil e atractiva usabilidade referida, vários foram os requisitos definidos que visassem contribuir para estimular a criatividade interna. Assim, destacamos as seguintes características da mesma:

    • a transparência (todos têm conhecimento de uma forma simples das iniciativas em curso na empresa);
       
    • o feedback (todas as ideias são avaliadas e acompanhadas de informação sobre o estado em que a mesma se encontra);
       
    • o reconhecimento (é premiada a participação dos colaboradores seja através da contribuição com ideias, comentários construtivos ou participação em projectos);
       
    • e a competição saudável (actualização online de gráficos e estatística da participação individual e de cada departamento no SGIDI).

     


    Paralelamente têm sido promovidas outras iniciativas de onde destacaríamos:

    • os trabalhos de estágio dos nossos jovens engenheiros (estagiários) com o objectivo de recolhermos ideias de potenciais melhorias/inovações, que culminam na apresentação das mesmas numa sessão aberta a toda a organização;
       
    • e a realização de sessões de criatividade, como o «Open Day» para os jovens engenheiros (realizado no final do estágio), onde, num dia de trabalho que se pretende descontraído, auscultamos os colegas sobre quais os problemas ou oportunidades de melhoria que identificaram e lhes solicitamos que nos sugiram ideias e planos de acção para as concretizar.

  • Implementar processos para garantir mais e melhor inovação - Gestão de interfaces e do conhecimento

    A inovação tornou-se, actualmente, um processo mais complexo quer devido ao aumento da pressão competitiva e à rápida mudança tecnológica quer pelo crescimento do conhecimento disponível para as organizações. Na Mota-Engil Engenharia e Construção tornou-se evidente a dependência dos processos de inovação da disponibilidade deste conhecimento, cuja riqueza e alcance têm de ser identificados e geridos para assegurar uma inovação que traga valor à empresa. Apesar do foco da gestão de conhecimento não estar apenas na inovação, esta tem um papel crítico na criação das condições conducentes ao seu surgimento.

    Na empresa pretende-se que a gestão do conhecimento tenha impactos na inovação através:

    • da promoção de ferramentas e processos para a criação/partilha de conhecimento - espaços férteis para a criatividade;
       
    • do acesso ao conhecimento tácito e explícito que reforça a capacidade da organização para ultrapassar os silos organizacionais;
       
    • da criação da base de conhecimento da empresa, permitindo avaliar os gaps em conhecimento considerado estratégico para a inovação;
       
    • da promoção de uma cultura orientada pelo conhecimento que favoreça a incubação de inovações.

     


    Assim, após 10 anos da implementação de um modelo mais tradicional de gestão do conhecimento (centrado na gestão de informação e no modelo clássico de gestão de conhecimento), a empresa encontra-se a redefinir a sua abordagem e práticas neste domínio. A aplicação de um novo modelo materializa-se na implementação de uma arquitectura sociotécnica denominada de Rede de Núcleos de Competência Técnica dentro das áreas críticas de negócio da empresa.

    A rede é composta por núcleos interrelacionados que centralizam e integram o conjunto de pessoas/competências, recursos (tecnologias, metodologias/técnicas) e dinâmicas/rotinas de apoio à concretização dos diferentes processos de negócio. Esta rede de núcleos é suportada pelas intervenções do processo de gestão do conhecimento que modela na empresa os processos que asseguram a reactualização da «memória organizacional» (a forma como o conhecimento se encontra distribuído pela organização), a criação de condições para o desenvolvimento de «aprendizagem organizacional» (a forma como as pessoas acomodam nova experiência e esta se torna institucionalizada) e a aplicação da «inteligência colectiva» (forma como as pessoas utilizam o conhecimento disponível para planear/implementar soluções a problemas/desafios).

    O objectivo é potenciar o desenvolvimento do capital intelectual da empresa, o que se reverte naturalmente numa acrescida capacitação desta para inovar.

     

  • Implementar processos para garantir mais e melhor inovação - Gestão de Aprendizagem

    A Mota-Engil Engenharia desenvolveu uma metodologia de avaliação de resultados suportada por várias ferramentas que lhe permite medir regularmente a capacidade de resposta do SGIDI e a qualidade dos seus outputs.

    «Innovation Scoring» no InnovCenter
    O Innovation Scoring é um dos módulos do InnovCenter, a plataforma informática de suporte à Inovação da Mota-Engil Engenharia. Toda a informação de scoring e de estatística está disponível a toda a empresa, sendo possível de modo online a qualquer departamento ou pessoa medir o impacto que está a ter na geração de valor para a organização.

    Auditorias
    Todos os anos são realizadas auditorias internas e uma externa com o objectivo de verificar a conformidade do SGIDI com as disposições planeadas, com os requisitos da NP 4457:2007 e com os requisitos do próprio SGIDI estabelecido pela organização.

    Executive Reports
    Pretende-se que através do «Executive Report» relatar de uma forma concisa o ponto de situação do Sistema de Gestão de IDI (SGIDI). Este relatório é produzido mensalmente e disponibilizado aos membros (gestão de topo) da Comissão da Inovação.

    Comissão da Inovação
    Com periodicidade mensal, procura-se nesta reunião debater com a Administração as iniciativas em curso relacionadas com o SGIDI, reavaliando regularmente o roadmap de IDI à luz dos resultados obtidos.

    Programa de Gestão
    São reportados trimestralmente à Administração os resultados da avaliação das metas dos indicadores definidos para cada objectivo no período em análise.

    Relatórios de Desempenho e de revisão do processo
    Pretende este relatório avaliar os resultados do processo de inovação, incluindo os resultados da gestão de interfaces e da produção do conhecimento, da gestão das ideias, do estudo e avaliação das oportunidades e dos projectos em curso e concluídos. Realizado em dois momentos ao longo do ano, o Relatório de Desempenho é complementado num dos momentos pelo Relatório de Revisão do Sistema, no qual a gestão de topo se pronuncia sobre as oportunidades de melhoria e orientações a implementar no ano seguinte.

Powered by